Voltar ao blog Dislexia – São as palavras que contam não a ortografia
Rui Terroso CEO
Rui Terroso - CEO |

Dislexia – São as palavras que contam não a ortografia

Um dos maiores desafios que os disléxicos enfrentam é como as pessoas nos percebem com a nossa escrita e como teclamos - especialmente agora que muitas vezes usamos os nossos telefones mais do que conversamos cara a cara.

 

Como disléxico, a ortografia e a gramática eram a causa de uma dor de cabeça constante para mim na escola.

Eu tentei não deixar que isso me incomodasse muito, e concentrei-me nas áreas em que eu era bom ou pelo menos gostava. Adorei a criatividade que vem com a escrita e felizmente, entendi o valor da delegação.

 

Já se passaram mais de 20 anos e eu ainda sou tão ruim em ortografia como na escola.

 

 

Pior, é que só consegui perceber que era disléxico, após ter os meus dois filhos diagnosticados com dislexia. Na hora de começarem a aprender a ler e escrever, as dificuldades começaram a surgir e após os acompanhar em várias sessões e diagnósticos, percebi que a dislexia é hereditária e que afinal todos os meus problemas de leitura e escrita e gramaticais desde a infância afinal devem-se à dislexia.

 

Eu sei que não estou sozinho na luta, mas no final do dia, a dislexia é apenas uma maneira de pensar diferente, não uma desvantagem.

 

 

Há muitos Heróis da dislexia - o mundo é feito pela dislexia

De acordo com os relatórios do Value of Dyslexia de 2019, produzidos pela Made By Dyslexia e Ernst & Young, quatro em cada cinco pessoas disléxicas apontam o seu sucesso para o seu pensamento disléxico. Melhor ainda, essa capacidade de pensar fora da caixa é vital para o trabalho.

 

O mundo está cheio de exemplo de disléxicos que se tornaram uma referencia nas suas áreas: Steve Jovs, Richard Branson, Henry Ford, Albert Einstein, Walt Disney, Pablo Picasso, Leonardo da Vinci, Van Gogh, Jamie Oliver, Steven Spilberg, Charles Darwin, Winston Churchill, Anthony Hopkins, Cher, George Bush (pai e filho), John Lennon, Keanu Reeves… entre muitos outros.

 

 

Como o Fórum Econômico Mundial colocou: “Habilidades humanas como a criatividade, originalidade e iniciativa, pensamento crítico, persuasão e negociação também reterão ou aumentarão o seu valor, assim como atenção aos detalhes, resiliência, flexibilidade e resolução de problemas complexos”. Se for esse o caso, vou continuar a cometer erros de ortografia!

 

As minhas lutas moldaram a Living Tours como uma empresa - promovemos uma cultura realmente inclusiva e sempre favorecemos a comunicação, simples, aberta e clara. Isso faz com que pareça mais uma família do que um negócio, e eu não teria nenhuma outra forma de o fazer.

 

Voltar ao blog

Subscreva a nossa

Newsletter

e descubra as nossas novidades e promoções mensais

A Living Tours utiliza cookies a fim de prestar o melhor serviço possível. Ao continuar a navegação, está a dar-nos o consentimento para usarmos os seus cookies. Pode ler mais informações na nossa política de privacidade.

Concordo