Voltar ao blog O Desafio Living
Rui Terroso CEO
Rui Terroso - CEO |

O Desafio Living

  1. O Cliente não é uma transação, mas sim um contacto.

Façamos um cliente não uma venda. É o que perdura. Os negócios são as pessoas e as pessoas não são computadores, são indivíduos de carne e osso sofrem, sentem, choram e entusiasmam-se:

 

Na Living Tours não vendemos tours, mas sim, experiências autênticas de pessoas para pessoas.

 

É isto que nos diferencia da concorrência. Se só vendermos tours, torna-se vulnerável, porque os tours são serviços, e os serviços são mais fáceis de copiar substituir. Se oferecermos uma experiência, já não é tão fácil de reproduzir. Dados demonstram que as causas pelas quais se perdem clientes são:

  • 5 por cento, fazem amizade com a concorrência
  • 9 por cento, opta por preços mais baixos;
  • 14 por cento, por má qualidade do serviço;
  • 68 por cento, indiferença e mau atendimento;

 

Os maus clientes perdem-se pelo preço, os bons clientes perdem-se pelo serviço

 

É possível que um bom serviço não seja único fator que leve o cliente a preferir uma determinada empresa, mas é garantido que um mau serviço é um fator para deixar de o fazer.

 

 

  1. Deve encontrar algo que ame em profundidade, que o apaixone, e que o faça estar disposto a ser o melhor

 

No papel é fácil de compreender, trata-se de uma equação de duas variáveis: Paixão e Compromisso. Quanto maior amor tiver por aquilo que se faz, melhor se será a fazê-lo.

 

Em qualquer equação cujo resultado final seja a excelência, o motor principal não pode faltar: a Paixão. Colocar a paixão ao serviço das coisas que tenhamos em mãos é dar-lhes vida e isso reflete-se de forma inevitável, na qualidade do resultado final.

 

Só a partir da paixão é possível aspirar tornar-se uma referência em qualquer mercado.

 

 

A marca – a reputação que uma empresa tem no mercado – é a melhor garantia para continuar a gerar receitas, mas construir uma marca é um trabalho duro: há concorrência, obstáculos, crises e outros inconvenientes.

 

Além disso, uma vez alcançada reputação há que a consolidar. Continuar a trabalhar de forma árdua para que o pó não a faça perder o brilho. Por essa razão, deve-se sentir paixão pelo que se faz, uma vez que é difícil tornar-se exemplar em algo, se não se sentir essa paixão.

 

 

 

  1. Não é possível construir uma organização se não tivermos pessoas com experiências e conhecimentos diferentes.

A uniformidade restringe e a diversidade acrescenta. O que significa que há que aprender a ouvir, a tratar bem as pessoas – porque depende delas – a comunicar e a troná-las participantes da visão da empresa, dos seus valores e de lhes fazer saber que são uma parte importante no destino da organização, de forma a alcançar um compromisso total e autêntico.

 

As pessoas com um desempenho excelente no seu trabalho são aquelas que vão além dos limites formais e técnicos do seu posto, e isso é possível quando se sentem parte integrante de algo maior que o seu trabalho. O compromisso e a respetiva consequência, a excelência, são apenas possíveis sob essas condições. 

 

As pessoas querem fazer parte de algo maior que elas próprias. Querem fazer parte de algo que as faça sentir de facto orgulhosas, e lutarão e sacrificar-se-ão porque acreditam.

 

  1. Crescer com disciplina. Inovadores no nosso core business. Não aceitar o status quo. Encontrar novas perspetivas. Contratar pessoas com entusiasmo.

 

Crescer com disciplina: Termos noção do que se faz. Mantermo-nos fiéis aos nossos valores e nunca esquecendo a nossa Missão e Visão. A nossa autenticidade tem de estar presente em todo o nosso crescimento e em tudo o que fazemos.

 

Inovadores no nosso core business: Acrescentarmos valor ao nosso negócio de forma continua. Procurarmos sempre como dar mais. Sermos sempre os melhores. Inovar como hábito é a melhor estratégia para nos diferenciarmos da concorrência e garantirmos uma posição de vantagem competitiva sustentável no mercado.

 

Não aceitar o status quo: porque isso coloca-nos dentro da média, e quem é mediano nunca vence.

 

Encontrar novas perspetivas: A criatividade não é opcional, porque é daí que nasce a diferenciação. E para isso há que abrir a mente. Em vez de julgarmos, aceitar como possibilidade.

 

Contratamos pessoas cheias de entusiasmo e não pessoas que saibam tudo: Esta atitude e predisposição para o trabalho é o que a torna perseverante perante as dificuldades, que as faz não deixar de aprender para continuar a melhorar, trabalhar em equipa de forma mais harmoniosa e, em suma, ter uma mentalidade vencedora. Sem equipa as grandes conquistas não são possíveis.

 

 

  1. As vendas curam tudo. Vender sempre, sempre, sempre.

A vida consiste em vender. Sabe que está a fazer as coisas bem quando estamos a fazer vendas ou se está a vender ou a perder.

 

Sem clientes não há negócio e sem negócio não há sustento. Não acontece nada até que uma venda aconteça.

 

A venda é o elemento essencial de qualquer negócio. Vender: sempre, sempre, sempre.

 

Voltar ao blog

Subscreva a nossa

Newsletter

e descubra as nossas novidades e promoções mensais

A Living Tours utiliza cookies a fim de prestar o melhor serviço possível. Ao continuar a navegação, está a dar-nos o consentimento para usarmos os seus cookies. Pode ler mais informações na nossa política de privacidade.

Concordo